Retorno

Tentei abrir a porta de casa com a chave do trabalho. Sempre tenho essa nóia: vou chegar e a porra da fechadura vai tá trancada, vou ter que gastar uma grana com um hotel. Mas como raramente acontece, me trouxe em casa um taxista que não estava na ânsia de voltar para o aeroporto e pegar outro passageiro. Fez o trajeto sem correr, ajudou-me a tirar as malas do carro e me ajudou a ter paciência em tentar abrir a porta do prédio.

Minha planta morreu. Comida estragou na geladeira. O resto estava relativamente em ordem. Algumas roupas com aspecto juvenil separadas para a doação. 

A balança da farmácia estava quebrada. No supermercado, o leite não estava no mesmo lugar. Mas o Mano ainda trabalha aqui e os mendigos são os mesmos: o de frente a ótica, o de frente da loja de roupas, a da frente da padaria.

2 comentários:

  1. Quem não tem tempo pra regar, não devia tomar o encargo de manter uma parada.

    ResponderExcluir
  2. Hunf, não seja cruel. Eu poderia ter deixado aos cuidados de alguém...

    ResponderExcluir