Mundo Virtual

Ao mesmo tempo que me sinto mais leve sem usar redes sociais eu perdi um dos espaços onde descarregava minha ansiedade. Era muito comum que o pouco de tempo que tinha pra ficar parada me gerasse a vontade de checar o Instagram ou o Facebook. Imaginava que perderia só uns minutinhos, mas não rara às vezes eu acordava quando fazia ao menos uma hora que havia mergulhado nesse buraco sem fundo que é o Facebook.
A atmosfera do Facebook é caótica. Lamentos e propagandas disputam espaço na nossa mente. Algumas poucas mensagens de afeto ou curiosidades interessantes servem pra nos manter ali, crentes que a ferramenta não é má, mau é o seu uso. Já advoguei esse ponto de vista. Mas depois de inúmeras vezes tentando fazer um uso "saudável" do Facebook, começo a achar que a ferramenta é má mesmo. Assim são como as drogas, que embora possam nos trazer prazer e benefícios momentâneos, tendem a fragilizar nossa saúde.
Outro efeito negativo que consigo notar nessas redes é a capacidade de nos manter flutuando, longe da realidade. No mundo virtual tudo é simulacro, ainda que existam com base em objetos reais. Para quem tem facilidade pra viver no mundo das idéias, a ligação compulsiva com o mundo virtual nos distancia ainda mais da terra.
Conheço muita gente com dificuldade de olhar dentro dos olhos do outro. Em compensação, esses olhos parecem não se cansar do brilho artificial das telas dos smartphones.

Nenhum comentário:

Postar um comentário